Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Cantares de Salomão’

O Deus que vigia as declarações de amor: Cantares 1:2-2.7

A primeira parte do livro é marcada por confissões de amor sem medidas e reservas. Não existe vergonha nem timidez que possa fazer o sentimento dos enamorados ser intimidado. Em um mundo onde cada vez mais as pessoas são frias, egoístas e não conseguem ser carinhosas e amorosas; a primeira parte desse maravilhoso livro é o remédio que traz cura para a doença da insensibilidade do relacionamento humana no que tange a falta de carinho verbal. Essa forma de amor gera segurança para o casal, fortalecendo assim o relacionamento que se estenderá no resto do livro que tende a amadurecer.

As declarações de amor de forma direta e forte, neutralizam os medos que naturalmente atacam qualquer casal (1:5-7). Podemos notar algo interessante, quanto mais um elogia o outro (1:8-11,15), mais a confiança e a segurança crescem (2:1). Algo que merece destaque na narrativa, é de como o amor cresce com a decisão de enaltecer e elogiar (2:3-6). Li certa vez um livro há muito tempo que foi muito importante para meu crescimento espiritual e como homem. Esse livro chama-se “As Cinco Linguagens do Amor´´ de Gary Chapman. Aconselho esse livro em especial para os que precisam de ajuda devido problemas de insensibilidade nas declarações. No seu livro, Chapman coloca as palavras de afirmação como a primeira linguagem do amor. De fato, a língua tem um grande poder. Não é a toa que o grande Salomão disse que a morte e a vida estão no poder da língua, e a pessoa que a bem utiliza come dos seus frutos. As pessoas deveriam entender que os elogios, as declarações de amor, ou palavras de afirmação, podem nutrir o relacionamento e deixá-lo firme e mais forte a cada dia.

No quarto capítulo do seu livro, Chapman afirma: “muitos casais nunca aprenderam o tremendo poder de uma afirmação verbal mútua´´. Salomão e a Sulamita dão um show na questão das palavras de afirmação, elogios e declarações de amor explicitas e diretas. Certamente se eles fossem vivos eu os chamaria para ministrar uma palestra em minha igreja sobre o assunto.

Você já disse algo bonito hoje para a pessoa que você ama? Já elogiou hoje algum ponto forte que essa pessoa tem? Já disse simplesmente que ela é especial na sua vida? Será que você ainda pensa que dizer essas coisas passará a idéia que você é manteiga derretida ou não é macho?

Quantos homens e mulheres perdem momentos de prazer e felicidade por medo de dizer o que sente. Pega o telefone e faz uma surpresa. Liga e diz que só ligou para dizer que ela é especial para você e que Deus te abençoou em ter colocado essa pessoa na sua vida. Manda um SMS com uma frase romântica e enaltece um ponto positivo e forte que essa pessoa tem. Depois disso, olhe para você e perceba que seu braço ou perna não caíram, que não doeu nada fazer isso; e você machão, não se tornou gay por causa disso. De fato os homens tem mais dificuldade com isso, mas também existem mulheres que não conseguem demonstrar o que sentem e acham que entregando-se em carinhos verbais, estarão mostrando que estarão completamente rendidas e nas mãos da outra pessoa e poderão ser facilmente manipuladas. Já escutei muito isso da ala feminina. Isso não deveria acontecer, pois a Bíblia nos ensina em cantares que esse tipo de comportamento deve ser dos dois, algo mútuo, com a mesma sinceridade, verdade e intensidade. Pois quando em um relacionamento, um ama mais do que o outro, ou, até mesmo demonstra mais do que o outro; logo, uma necessidade da parte que oferece mais, precisará ser suprida. Isso poderá gerar sérios problemas. Mas as vezes a compreensão com a forma do outro agir poderá ser aceita e evitará tais problemas. No entanto, cantares mostra que o relacionamento triunfante é aquele que tem as duas partes se enaltecendo e demonstrando mutuamente os seus sentimentos (também) de forma verbal.

Chapman ainda indica algumas palavras que certamente ajudarão a criar uma atmosfera de amor e harmonia entre o casal. Ele aponta as palavras encorajadoras. Certamente seu namorado(a), noivo(a) ou esposo(a), tem problemas, defeitos, pontos fracos e negativos que precisam ser tratados. Você é do tipo que apóia, encoraja, ou daqueles que criticam sempre e não estimula a outra pessoa a crescer e que ela pode vencer e melhorar o que é necessário?

As palavras bondosas geram um ambiente de graça. Deus é bom, quando mostramos bondade, estamos sendo parecidos com Deus. Tem pessoas que só tem  palavras negativas, ruins, só fazem leituras catastróficas de tudo que acontece. Nunca tem uma palavra boa, gentil, alegre, esperançosa, isso é terrível e não tem quem suporte isso.

Palavras humildes, como falta isso nos relacionamentos. Entendo que a palavra mais humilde que uma pessoa pode dizer a que ama é: “perdão´´. Quem consegue continuar do mesmo jeito depois de ouvir: “me perdoe, eu errei´´. Quando pedimos perdão estamos reconhecendo que estamos errados, que estamos nas mãos de outra pessoa, dependendo do seu perdão. Isso é humilhante. Mas isso gera exaltação e mudanças. O pastor Josué Gonçalves disse certa vez: “ perdoar o próximo é fazer aquilo que Deus fez conosco´´. Quando pedimos perdão, ou perdoamos alguém, estamos apagando todo e qualquer material que poderia ser usado pelo diabo contra nós. O perdão apaga as mágoas e tristezas causadas pelo erro. Precisamos cultivar o hábito de pedir perdão à pessoa que amamos. Não é sábio nem bíblico esquecer, deixar pra lá, varrer a sujeira para baixo do tapete. Peça perdão sempre que errar. É um exercício santo.

Portanto, as pessoas sábias estabelecem juntas seus laços por meios de um testemunho verbal compartilhado de admiração mútua.

Pense nesse pequeno poema:

Não tenho medo de dizer que amo

Não quero ter medo de dizer que amo

Não posso ter medo de dizer que te amo

É porque te amo que nem consigo ter medo de ter medo

Se tivesse medo, nada faria sentido

Eu não seria eu, nem você quem você é

(Desconhecido)

Read Full Post »

O Deus que vigia o desejo sexual: Cantares 2:8 – 3:5.

Não é fácil falar sobre sexo e sexualidade dentro das igrejas, mesmo hoje em dia. Embora estamos em pleno século XXI, as pessoas parecem que só abordam esse assunto quando não são cristãs. Quando nascem de novo, parece que acham que é pecado ou é muito contrastante falar isso dentro da igreja. Afinal de contas, igreja é lugar de se falar das coisas de Deus. A velha e famosa idéia de que Deus criou o casamento e o Diabo veio e criou o sexo, ainda é muito comum para várias pessoas – principalmente para pessoas de igrejas de linha teológica não definida e arcaica.

Recordo-me certa vez quando ministrei na igreja o memorável capítulo 7 da primeira carta aos coríntios, a euforia das pessoas quando toquei em assuntos delicados – principalmente por eu ser novo e solteiro. Questões como: Sexo antes do casamento, masturbação, a possibilidade ou não do sexo anal e outras inúmeras coisas, são assuntos que não são raros de se conversar no gabinete pastoral. Quantas e quantas vezes fui interrogado e questionado sobre o porquê esperar até o casamento para se ter uma relação sexual; qual era a visão da igreja evangélica sobre o sexo anal; quantas vezes fui questionado sobre a questão da masturbação – e isso com argumentos psicológicos e biológicos. Já ouvi e fui questionado várias vezes. Percebi muito cedo no meu ministério como era importante ter conhecimento nessa área e não ter medo nem receio de abordar esses assuntos, isso de maneira coerente, bíblica e sensata.

A nossa sociedade vive nos extremos, ou vemos as pessoas sem valores éticos, morais e espirituais; ou vemos a ala dos falsos moralistas – esse segundo grupo me preocupa mais. Isso por que eles criam os tabus, principalmente dentro das igrejas.

Não podemos abordar o livro de Cantares de Salomão sem falar de desejo sexual. Sem o desejo de estar junto a união amorosa não pode durar. Nenhuma falta de afeto existe no casal do livro de Cantares. A alegria surge tanto na possibilidade de reencontro (2.8-9), quanto no tempo que passam juntos (2.10-13). Nenhuma das vezes em que um deles busca pelo outro é tratada como algo inconveniente (3.1-4). Eles acreditam que a vida é cheia da plenitude quando estão na presença um do outro ou até mesmo quando se imaginam juntos. Para eles, a ausência do amado é a barreira principal à felicidade na vida.

Uma coisa interessante é que no início deste cântico o Amado toma a iniciativa. É o homem que toma a iniciativa de procurar a mulher, de mostrar interesse e afeto. O “H´´omem é que busca ter a iniciativa. Pessoalmente, não acho interessante a mulher tomar a iniciativa de ir atrás do homem. Estou com Salomão e não abro, o homem é que tem aquele instinto de ir atrás da fêmea, de conquistá-la, de lutar por ela e ter como prêmio o sentimento da mulher que desejou ter como companheira. Acho muito estranho quando a mulher vai atrás do homem. Escutei certa vez uma frase de uma mulher muito experiente na vida que me disse assim: “homem só valoriza o que ele conquista com dificuldade´´. Fiquei pensando e vi que ela em certo sentido tinha razão. Faz parte da natureza do macho ir conquistar a fêmea. Creio que boa parte da falta de valor que as mulheres dizem não ter da parte dos homens, ocorre como resultado e culpa das próprias mulheres em não se valorizarem – não estou generalizando, existe exceções à regra. Qual o homem que gosta de mulher muito dada? Homem gosta de mulher difícil, aquela que é reservada e que vai correspondendo a medida que o homem vai tomando iniciativa. Geralmente esse tipo de mulher é a famosa “oferecida”. Uma verdadeira mulher de Deus não age dessa maneira. Ela sabe dosar e interagir de forma correta com o seu pretendente na fase da conquista sem ser vulgar nem utilizar-se de métodos ou estratégias mundanas. Pois aprendi uma coisa com um pastor muito querido: “uma mulher mundana atrai um homem mundano, e um homem mundano atrai uma mulher mundana”. Nesse caso os opostos não se atraem. Os homens podem deixar seu comentário e afirmar ou negar isso – as mulheres também é claro.

As primeiras duas seções do livro possuem uma utilidade ímpar aos leitores do Antigo Testamento, pois nenhuma outra passagem da Bíblia faz referência à paixão que precede o casamento como estas. Talvez a determinação de Boaz em se casar com Rute sugira a mesma emoção (Rt 3.1 – 4.12), contudo o tom do relato é imensamente moderado em comparação a Cantares 1.2 – 3.5. Elogio, desejo, alegria e impaciência na ausência do outro, precedem o compromisso que não será facilmente abalado e quebrado. No contexto de sabedoria, esses versos indicam como alguém pode começar a evitar a mulher pecaminosa tão vividamente descrita em Provérbios 5.1-6; 7.6-27 e 9.13-18.

Minha pergunta: por qual motivo a igreja evangélica não estuda esse livro na escola dominical ou culto de doutrina? A resposta mais direta e simples é: os pastores e líderes são mal resolvidos teologicamente e pessoalmente em relação a esse assunto. Os pastores não ousam ensinar o que a Bíblia diz acerca do sexo e do desejo sexual. Sabe o que acontece? O MUNDO SE ENCARREGA DE ENSINAR AOS MOLDES DE SATANÁS.

Que Deus nos dê graça para tomarmos a melhor direção na vida sentimental para não cairmos nas ciladas do Diabo e da nossa própria ignorância.

Read Full Post »